domingo, 12 de julho de 2009

10/7/1931 - Nasceu R. Peixe, Artista Plástico.




R. PEIXE, O MESTRE ESQUECIDO

Raimundo Braga de Almeida, o R. Peixe foi o mais popular e eclético artista plástico do Amapá que se tem notícia. Muitas de suas obras ainda estão dependuradas em importantes repartições públicas do Governo Estadual e da Prefeitura Municipal, além de edifícios federais e nas paredes de casas particulares, cujos donos sabiam da importância de seus trabalhos e os colecionavam. Nas exposições realizadas nas décadas de 60, 70 e 80, sempre com o apoio governamental, seus quadros já saíam praticamente todos vendidos ou reservados, pois nesse período se valorizava muito as paisagens amazônicas, uma temática comum utilizada por ele. R. Peixe também produziu centenas de paisagens urbanas, nas quais os aspectos da fortaleza de São José eram evidenciados, bem como a velha igreja, a doca, a dança do marabaixo e retratos de personalidades locais.

Quem chegava a Macapá por avião logo via um imponente painel no aeroporto internacional retratando a cidade, vista sob o ângulo principal do forte, e o admiravam, como se fosse um convite para conhecer o belo monumento militar construído pelos portugueses no século XVIII. O Palácio do Governo possui um painel semelhante. O Tribunal de Contas do Estado é todo decorado com obras interessantes desse artista. Infelizmente não há como saber a quantidade de obras porque muitas foram roubadas por administradores inescrupulosos. Talvez com a implantação do Museu da Imagem e do Som que o Governo pretende montar em breve seja feito um levantamento das obras artísticas compradas por ele.

Apesar de ter falecido há pouco tempo quase nada se tem ouvido falar desse importante artista. Suas obras abrangem a escultura, a pintura e o desenho, embora tenha iniciado sua vida como fundidor de objetos de alumínio e ferro e depois se especializado em modelagem de gesso. Ao vir para Macapá em 1952, depois de muito lutar conseguiu emprego na antiga Olaria Territorial, onde fazia desenhos marajoaras para mosaicos e artefatos ali produzidos. Vendeu muita paisagem em casco de tartaruga naquela época. Foi goleiro do Trem Desportivo Clube, do São José e do Juventus, tendo encerrado sua carreira em 1959. Foi sambista muito popular, que após revolucionar o carnaval local, inserindo novos instrumentos na bateria de uma escola e extinguido os instrumentos feitos de madeira e couro de cobra. Fundou a Escola de Samba Piratas da Batucada e mais tarde a Cidade de Macapá. Foi considerado o maior dançarino de salão de Macapá e um grande boêmio.

O pintor expôs pela primeira vez em Macapá em 1962 e realizou inúmeras outras em importantes estados brasileiros e na Guiana Francesa. Nasceu em São Caetano de Odivelas, em 10 de julho de 1931 no Pará e em 1990 recebeu com justiça o título de Cidadão Macapaense pela Câmara de Vereadores do Município de Macapá.

O que vejo também como importante na vida de R. Peixe foi a sua contribuição às atuais artes plásticas do Amapá, pois foi o idealizador e fundador da Escola de Arte Cândido Portinari, que hoje revela o talento de jovens artistas de nossa terra.

Antes de seu falecimento em 2004 o artista encaminhou a vários órgãos culturais do Estado uma proposta de edição de livro sobre sua vida e obra, escrito pela sua segunda esposa Elizabete Rolim, quando ainda morava em Natal-RN.

É possível que os familiares de R. Peixe ainda possuam a cópia desse trabalho que merece ser editado pela sua importância histórica e artística. O Mestre, não pode ser esquecido.
Tela de R. Peixe que representa a frente antiga da Cidade de Macapá, Amapá, produzida em 2002
(Acervo de Fernando Canto)

6 comentários:

  1. Fernando, as obras do Peixe sáo uma dos maiores patrimônios culturais do Amapá. Também me maltrata essa falta de lembrança, de memória de Zêlo. Ainda bem que tenho uma dele na minha sala, acho que comprei em sua última exposição.

    ResponderExcluir
  2. Querida Alcilene, O Peixe nadava em águas profundas que só ele. era múltiplo, eclético, plural... Soube agora que suas obras começam a desaparecer das repartições públicas. Falta um inventários das obras compradas pelos poderes públicos, para não deixar acontecer como as coisas (farol, canhões, etc.) que roubaram da fortaleza de São José.

    ResponderExcluir
  3. É interessante o esquecimento das pessoas quando por desconhecimento, talvez a falta de meios para torná-las visíveis, faz dos que as conhecem um pouco culpadas, da mesma forma a do esquecimento por não interessar mais, que também faz piorar a situação daqueles que as conheceram. Coloco estes posicionementos porque está na hora do "mea culpa" para todos nós brasileiros por pouco ou nada fazermos aos que merecem ou mereceram visibilidade. Acredito que a partir da possibilidade de contribuir um pouco com o futuro de uma nação tão fraca de memória é que poderemos falar de futuro da nação. Sou antropologo e trabalho com culturas na cidade onde R. Peixe nasceu e pasmem se não fosse uma amaiga virtual do orkut, que mora em Macapá, não saberia da existência deste artista, até porque na cidade onde este nasceu ele é desconhecido. Pretendo a partir do conhecimento virtual, divulgar a existência dele no município de São Caetano de Odivelas/Pa.

    ResponderExcluir
  4. Estava procurando matérias ou qualquer coisa que falasse do meu avô R. Peixe na internet e encontrei esse blog. Meu avô contribui muito para a cultura do estado do Amapá. O acervo que ele deixou, e que muita gente desconhece daria uma verdadeira aula de história amapaense a nossas crianças. R. Peixe faz parte da nossa história e não pode ser esquecido.

    ResponderExcluir
  5. Quero registrar meu pesar pela perda desse grande artista e dizer da minha tristrza por concluir que nossos artistas não têm seu valor reconhecidopor nossos governantes e tão pouco pelo povo. Minha filha Camila de 9 anos me pediu ajuda pois estava com dificuldades para encontrar fontes de pesquisa sobre artistas plasticos amapaenses, as fontes disponiveis na rede eram muito pobres de informação e quando encontramos este blog ela ficou encantada com a historia do artista e com sua arte.
    gostaria de registrar como mãe que a escola onde meus filhos estudam (Intergenius) faz muito para desde cedo as crianças aprenderem a gostar das artes nas mais diversas formas(musica,pintura, escultura, poesia,etc...) e espero que um dia todas as escolas do nosso estado possibilitem esse acasso a arte as nossas crianças.

    ResponderExcluir
  6. Sou Marchand,e no momento resgatei
    uma obra do R. Peixe (01) óleo s/ tela (paisagem amazonica) tamanho:45x64cm datado:1995, Fico muito feliz como potiquar,pela sua estadia em nossa cidade (NATAL-RN) ,pelas lindas paisagem de nossa terra natal.
    Esta obra estar à venda.
    Ediel da silva Pimentel
    (84)9973-4355 (84)3222-0534
    email: obras.raras@hotmail.com

    ResponderExcluir

Obrigado por emitir sua opinião.