sábado, 7 de abril de 2012

PEQUENO INSTANTE DE RETORNO A UM LUGAR CHAMADO PASSADO‏

Recebi de Luiz Jorge Ferreira o poema memorial “Pequeno Instante de Retorno a Um Lugar Chamado Passado”. Um texto impecável. Leiam.

FERNANDO,    BOA NOITE.    
                  
                   LENDO-LHE DE VOLTA NO “CANTO DA AMAZÔNIA”   REABRO A "COMUNICAÇÃO" COM MACAPÁ,

                   A QUAL COMPLEMENTO O ÁUDIO DA LEITURA (LEIO EM VOZ ALTA, ASSIM LEIO E OUÇO) COM O FILME QUE O JOÃO LAZARO

                   "PORTA-RETRATO" PROJETA PARA MIM CADA UMA DAS VEZES EM QUE

                   DEPARO-ME COM ESTA ENXURRADA (DE FOTOS) DE COISAS D'ONTEM POSICIONADAS HOJE.  RAPAZ, É UM SENSAÇÃO DE VOCÊ

                   ASSISTIR FLASH'S' DE COISAS QUE VOCÊ VIVEU,VER PESSOAS COM QUEM  VOCÊ CONVIVEU. MONTA-SE UM QUEBRA CABEÇAS,   

                   CIRCUNSTANCIAL DE UM PARTICULAR QUE É UNIVERSAL.  HOJE DAQUI DE LONGE, DAQUI DO HOJE, EU COMPREEENDO BEM ESTE 

                   MOTOR PERPÉTUO DE ACONTECIMENTOS... NASCE MORRE...  NASCE CRESCE... SURGE O NOVO... FINDA O JÁ DESGASTADO

                   APELIDADO DE "VELHO".
.
                   UM DIA DESTES ESPANTEI-ME OUVINDO UM SOM VINDO LÁ DO PECÓ. MAS ISTO É OUTRA ESTÓRIA.

                   EM TEMPO: OUTRO DIA DESTES, LI TEXTOS DE RAY, BELOS!        LUIZ JORGE.


PEQUENO INSTANTE DE RETORNO A UM LUGAR CHAMADO PASSADO
Poema de Luiz Jorge Ferreira

O som vem lá do Pecó. (*)
É a voz de Carlos Gonzaga cantando Diana.
Eu deitado, imberbe, na rede que fede a mim.
Balanceio entre o Trópico de Câncer e o de Capricórnio.
Em vão, procuro criar uma linguagem nova para conversar com as estrelas.
Cybelle, sob o sol tropical picha muros, ou apenas anda zigzagueando entre pedregulhos grávidos.
Atropelados por um pneu Firestone.
Portinari... Picasso... Dali... R. Peixe... Ray Cunha.
Estão por ali entre sombras da noite e fantasmas magros.
Todos gêmeos das paredes de madeira ruídas de cupins.
Copulam cores. Dentro do sol.
Dentro de mim a Babilônia se arrasta pela Ernestino Borges.
Vem da casa de Seu Paulino, Maiambuco, com Marabaixo, e Coló.
Eu em silencio, decorando a música de Carlos Gonzaga, vinda do Pecó.
Deitado na rede que tatua minha costa com listas e calombos.
Espreguiço entre a Fortaleza cicatrizada de tempo, e o tempo cicatrizado na Fortaleza.
Farto de azedos, gaguejo uma língua nova para a surda lua anciã.
Da alma ao ânus. Lavado de suor. Olho as unhas dos pés crescerem.
Sujas do chão do Pacoval.
Elas desnorteadas com o Norte mapeado aos seus pés.
Arranham em Si, o terceiro compasso.
Sou um homem negro. Pardo com duas orelhas. Páginas demais em branco.
Apaixonado por sereias. Versos de Drumonnd. Lendas do Isnard.
Refém do som do Pecó. Olhando as telhas.Dialogando com estrelas sujas de céu.
Xingo os tímpanos. Incomodado com o barulho da massa do pão lá na Padaria do Seu Osvaldo, ainda cru sendo esmagado na mesa.
Sobre bactérias indefesas. Gritando em Morse.
Vittorio Gassman. Zorro. Chaplin. Bardot.
Estimulam o diálogo das pulgas com o cão, em Braille.
Isto impede que eu decore a segunda parte da letra da música de Carlos Gonzaga, que vem do Pecó.
Que vem só. Respirando entre ruas e becos, lá do Igarapé das Mulheres, entre cheiros de peixe, e odores vaginais.
Quase amanhece debaixo do assoalho em que a música se esconde. Ernestino Borges. Odilardo Silva. Odilardo. Fernando Canto.
Nikita Kruschchev. Chefe Humberto. Cabralzinho.
Bongos... Uníssonos solfejam a semínima com que a música termina.
O barulho das tábuas estalando.
Impede que eu decore o resto.
Cuspo frases inteiras da música no saco de roupa, onde a camisa de ontem encharcada com um resto de chuva, não cabe mais em mim.
Mil e Novecentos. Outubro de 62.
(*) Pecó = prostíbulo em Macapá, cujo som emitido por vários alto-falantes inundava o silêncio das suas madrugadas na década de sessenta.

10 comentários:

  1. Ernest Hemingway observou que um trabalho literário é vivo quando exala cheiros e podemos sentir seu peso e movimento. O grande ficcionista americano comentou mais ou menos isso. E este poema de Luiz Jorge tem essa dimensão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EM TEMPO OBRIGADO PELAS PALAVRAS, VINDAS DE QUEM VEM.

      Excluir
  2. Quem não conhece estas paragens como eu, acaba chegando lá viajando nos versos do Luiz Jorge...Ele sempre descobre uma linguagem nova não só" para conversar com as estrelas" tambem para falar da vida....

    ResponderExcluir
  3. POIS VENHA VER DE PERTO ESTE LUGAR, POETA.
    POIS SE SOBRE ELE "MINTO".
    MINTO MUITO POUCO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CATA ( DE CATARINA )9 de abril de 2012 23:40

      AO LER SEUS DIZERES TEN-SE A FORTE IMPRESSÃO DE QUE É O MAIOR, MAS SÓ QUANDO ESTÁ IRADO E PULA COM O DEDO EM RISTE, SENÃO, VOCÊ SÓ É O QUE HÁ DE MELHOR ENTRE NÓS.
      CATA ( DE CATARINA).

      Excluir
  4. CATA.
    -EM UMA DE SUAS CAMINHADAS AEREAS POR AI.
    VÁ AO AMAPÁ (MACAPÁ) ONDE A HOSPITALIDADE DE SUA GENTE, A GRANDEZA DOS SEUS RIOS,A BELEZA DE SUA NATUREZA, CERCADA PELA PROFUNDESA VERDE DO SEU VERDE.
    TUDO ISSO O EMBRIAGARA MAIS DO QUE A "ÁGUA AMARELA" BEBIDA DEPOIS DA NOSSA COSTUMEIRA "PELADA" AOS DOMINGOS.

    ResponderExcluir
  5. O Luiz Jorge, acredito, deve ser um grande amigo do Alípio Santos, que é Procurador Federal do Brasil, morando atualmente no folgado Estado do Rio de Janeiro, e que nos anos 80/90 fêz lançamento de um livro no Colégio Amapaense e que tive a honra em conhecê-lo.

    Lendo o poema Jorgético, me senti o próprio adolescente a procura de esconderijo para as delícias do amor com as pequenas da Macapá antiga...

    ResponderExcluir
  6. Tadeu, é mesmo poeta. Merengue logo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu Anônimo, o senhor deve ser um daqueles, também, que procurava as maravilhas escondidas nas mediações do imenso Quebra-Mar desarticulado, hein?

      Tadeu Pelaes.

      Excluir
  7. TADEU.
    SOU ORGULHOSO DA AMIZADE DE INUMEROS AMIGOS DE INFANCIA, E ADOLESCENCIA EM NOSSA AMADA MACAPÁ. LANCEI DOIS LIVRO POR AI COM A CUMPLICIDADE DO SAUDOSO
    UBALDO MEDEIROS(AMIGO E COMPADRE)ALIPIO OLIVEIRA(AMIGO E COMPADRE), AFORA ISTO(S). TENHO TRABALHO MUSICAL COM FERNANDO, AFORA A AMIZADE, DELE, E DE OUTROS "IRMÃOS"
    A QUEM MEU CORAÇÃO ABRIGA COMO A OSTRA FAZ COM SUAS PRECIOSAS PEROLAS.
    LUIZ JORGE.

    ResponderExcluir

Obrigado por emitir sua opinião.